Banalidade do Amor

A vida é curta.
Um piscar emocionante.
Uns momentos de alegria,
e a tristeza inevitável.
As lágrimas sempre secam.
O sorriso é renovável.
A vida é curta.
O amor, bem variável.
Têm aqueles de verdade.
Têm aqueles de cinema.
Têm ainda os como a vida,
tão curtos quanto este poema.

Anúncios

Sobre Eduardo Quintanilha

21 anos, Analista de Suporte. Estuda Análise e Desenvolvimento de Sistemas na Universidade Tecnológica Federal do Paraná. Skatista entre uma prova e outra, e escritor nas horas vagas. Decidiu criar o blog para publicar seus textos escritos à base de muito café e olheiras. Almeja ser reconhecido pelos seus textos e poemas, ou que alguém goste de seus textos.

»

  1. Edu, mudei pra cá também. Agora ficou mais fácil pra eu ver seus textos que eu tanto gosto. Beijos ;*

    Responder

Se gostou, comente. Se não gostou, comente também. Críticas construtivas são sempre bem vindas!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: